Imagem da postagem

No dia 29 de junho, a Igreja celebra dois grandes Apóstolos assim chamados de Colunas da Igreja: São Pedro e São Paulo. No mês de tantos Santos populares estes dois se destacam por sua fundamental ação apostólica no início do Cristianismo. O Primeiro é Pedro, a pedra sobre a qual Cristo construiu a Igreja e pediu que ficássemos ligados a Ele numa Unidade até o fim dos tempos (Mt 16,18). Entre as grandes qualidades dedicadas a este pescador humilde e simples, escolhido enquanto pescava com seu irmão André (Jo 1,35-40), podemos destacar o aspecto do “cuidado”, fazendo uma referência à Parábola do Bom Samaritano que este ano inspira o Lema da Campanha da Fraternidade 2020: “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele”. (Lc 10, 33-34).

 De Pedro, Jesus esperava muito, afinal fez dele um líder, aquele que estaria à frente de sua missão e agiria em nome d’Ele. Após sua Ressurreição, Nosso Senhor teve um encontro maravilhoso com Pedro a ponto de lhe fazer verter em lágrimas pela segunda vez, a primeira foi por ocasião de suas negações onde o galo cantou. Desta vez, Jesus interpela Pedro três vezes se o amava e lhe faz insistentemente um pedido: “apascenta”, ou seja, “cuida” do meu Rebanho, minha Igreja (Jo 21, 15-23). Pedro respondeu entre lágrimas a terceira pergunta sobre se o mesmo amava verdadeiramente acima de tudo e de todos e, aceitou a árdua missão de CUIDAR da Igreja nascente! Os sucessores de Pedro, obviamente, herdaram este mesmo apelo de Cristo para cuidarem do Rebanho.

Apóstolo do Cuidado, ao receber o Espírito Santo no dia de Pentecostes onde Maria, a mãe de Jesus, presidia a Oração em Jerusalém, Pedro se torna um homem corajoso, líder por excelência, preocupado com o anuncio de Jesus Cristo e com o futuro da Igreja, como descreve o Ato dos Apóstolos 2,14-36. Nascia neste momento, uma Igreja Samaritana orientada por Pedro e movida pelo Espírito Santo :  “Ouro e prata não tenho, mas o que tenho Vos dou...”(At. 3, 6).

Em outro vértice da Missão, mas no mesmo desafio está o Apóstolo Paulo que amou tanto a Cristo que se identificou com Ele: “não sou eu quem vivo, é Cristo que vive em mim” (Gl 2,20). Suas Cartas cheia de amor às Comunidades por onde passava, inspirava o Cristianismo em lugares onde Nosso Senhor não estivera fisicamente: grandes metrópoles, cidades fora de Jerusalém, locais predominantemente pagãos. Ele teve um Encontro com Jesus ressuscitado na estrada de Damasco descrito de maneira extraordinária em At. 9,2-42, e a todos repetidas vezes Paulo descrevia este marcante evento em sua vida, jamais o pode esquecer, foi o encontro que mudou sua vida, o fez um apóstolo da Compaixão.

De fato, a pregação de Paulo era na verdade um grande testemunho de sua experiência pessoal com Cristo, o mesmo fora alcançado pelo Ressuscitado que agiu com misericórdia e compaixão para com aquele que, desde jovem, devastava a Igreja de Jesus e o perseguia. Vítima da compaixão, Paulo não pode esconder mais que estava apaixonado por este Jesus que antes perseguia com sangue nos olhos. Seus ensinamentos e cartas, inspiravam e inspiram muitos de nós ao amor a Cristo como ponto de partida e de chegada de tudo que realizamos em prol da Igreja. Morreu decapitado, convicto, firme e determinado. Seu exemplo ficou vivo nas comunidades paulinas que repetiam: “Ele vive em mim”! Paulo, viveu a compaixão porque foi muito amado por Jesus, de tanto amor recebido, pode doar muito de si. Do sentir ao cuidar, Paulo soube sair do sentimentalismo para a ação misericordiosa, foi um bom samaritano que olhou, sentiu e cuidou.

 Por fim queridos(as), o cuidado e a compaixão, características que aqui apresento como de Pedro e Paulo não são meros sentimentalismos ou ideologias vazias! Nestes dois grandes homens, estas duas virtudes se tornaram ações concretas, os dois se transformaram nas colunas de cuidado e de compaixão da Igreja até os dias de hoje e para sempre o serão conforme a promessa de Nosso Senhor: estarei convosco todos os dias até o fim dos tempos” (Mt 28,20).

Por: Pe. Aloísio Mota, CSsR.

Pároco da Paróquia São Pedro Apóstolo (Guaratinguetá-SP)