Imagem da postagem

A difusão dos ensinamentos da Carta Encíclica Laudato Si do Papa Francisco é fundamental para uma mudança da cultura exploratória, consumista, que afeta a Casa Comum e principalmente os mais pobres.

Nesse sentido, o Movimento Católico Global pelo Clima, em parceria com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Cáritas Brasileira e outras entidades católicas, realizará uma exposição fotográfica itinerante com os principais elementos que compõe o documento papal.

O Santuário Nacional de Aparecida será o primeiro a sediar esta exposição de 09 a 13 de novembro, durante o Congresso Nacional da Cáritas Brasileira. Segundo Igor Bastos, coordenador da Campanha-Brasil do Movimento Católico Global pelo Clima, a mostra trará fotos e mensagens do documento.

“A nossa exposição apresenta 24 pontos da Encíclica Laudato Si; que são pontos chaves que perpassam todo o documento e, junto a cada ponto, algumas imagens que ilustram essa realidade na perspectiva brasileira”, disse.

Além da exposição fotográfica, Bastos informa que será montada a ‘Árvore de Oração pelo Clima’. “Junto a essa exposição fotográfica também teremos a ‘Árvore de Oração pelo Clima’ que iniciamos na Polônia durante a Jornada Mundial da Juventude; onde as pessoas depositam orações. Em Aparecida, traremos as orações coletadas na árvore da Polônia, e em cada lugar onde a árvore estiver iremos coletar as orações da comunidade local e dessa forma faremos uma peregrinação com essas orações pelo país”, adiantou.

Além dessas iniciativas, o Movimento promove a Campanha #VivaLaudatoSi que oferece alguns pontos e perspectivas para as pessoas colocarem em prática os ensinamentos da Encíclica seja numa dimensão pessoal, comunitária ou mesmo no âmbito político.

A Encíclica – Preocupado com a violência cometida contra a Terra, o Papa Francisco escreveu a Carta Encíclica Laudato Si (Louvado Seja), no dia 18 de junho de 2015. Nesse documento o Papa convida ao cuidado com a Casa Comum em todas as suas dimensões. Em uma perspectiva sistêmica e integrada, a Encíclica estabelece uma “relação íntima entre os pobres e a fragilidade do planeta, retomando o tema da economia e da política, que devem servir ao bem comum e criar as condições de uma plenitude humana possível”.

Fonte: a12.com